À conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge 6 – Amamentação!

2 Comentários

À conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge 6 – Amamentação!

Um das maiores preocupações que as mães têm no fim da gravidez relaciona-se com a capacidade ou não de virem a amamentar o seu bebé.

Sendo uma capacidade inata que a natureza faculta a todos os mamíferos não há porque temer. No entanto, não deixa de ser algo novo para quem é mãe pela primeira vez. E compreende-se que tudo o que é novo pode causar uma certa ansiedade.

O maior conselho que posso dar a quem se encontra nesta situação é: deixe os receios de parte assim como os mitos populares que tanto nos fazem duvidar das nossas capacidades intrínsecas de “Ser Mãe” e siga os seus instintos maternais e as indicações dos profissionais de saúde que a acompanharam no pré, no parto e no pós.

O bebé de termo que nasce saudável possui inúmeras competências que facilitam o processo de amamentação. A maior prova disso é quando o bebé nasce e o coloca de barriga para baixo junto ao corpo despido da mãe e ele procura o peito e inicia os movimentos de sucção necessários para se alimentar.

Considerando o leite materno como o melhor alimento que o seu bebé pode ter desde o nascimento, não podemos esquecer que a amamentação não é apenas fonte de nutrição mas sim e também uma maneira do bebé obter calor, carinho, contacto e interação com a mãe, estabelecendo vínculos benéficos a curto e longo prazo.

No início pode custar… o peito dorido, os mamilos gretados, as contrações uterinas e até arranjar a posição mais confortável para ambos. Mas, ao fim de uma semana, já o fez tantas vezes que acabou por se tornar num ato tão natural como piscar os olhos. Sentir-se-à bem e voltar ao seu peso habitual será ainda mais rápido nas mães que amamentam.

Ofereça leite materno sempre que o seu bebé solicitar, sem se preocupar com os horários ou a duração de cada refeição. Num recém-nascido, e até este recuperar novamente o peso de nascença, os intervalos entre refeições não as refeições não devem ser superiores a 3h durante o dia e 4h durante a noite. Todos os bebés são diferentes mas o risco de perda de peso, de desidratação, de icterícia e de hipoglicemias aumenta substancialmente quando os intervalos entre as refeições são demasiado longos. Vigie sempre as fraldas do seu bebé para confirmar que têm urina em cerca de 6 vezes por dia. E lembre-se que, independentemente da cor ou aspeto, não existe leite materno forte ou fraco.

Se a sua decisão for amamentar, não duvide de si. Certamente será bem sucedida!

<3

__

Obrigada Enfermeira Patrícia pelas suas palavras, sempre bom ouvir e aprender consigo.

Nunca me esqueço o que em ajudou com os meus bebés.

 

 

À conversa com a Carmo Cambão!
À conversa com Nina Bessa
2 Comentários
  • Sílvia

    Responder

    Quanto tempo amamentou os gémeos?

    • Mariana Seara Cardoso

      Olá!
      Durante 4 meses e meio.
      Um beijinho.

Deixe um comentário