À conversa com a Psicóloga Benedita Moutinho – 3

À conversa com a Psicóloga Benedita Moutinho – 3

Olá!

Hoje é dia de conversas reais, com a Psicóloga Benedita Moutinho. 🙂
Fazer programas com os nossos filhos é bom e faz bem aos nossos filhos, no entanto, com as vidas que temos hoje em dia, muitas vezes é difícil.
Vamos todos ler o que a Psicóloga Benedita diz e pensar sobre o assunto.
No final, vou deixar algumas sugestões de programas que costumo fazer com os meus filhos.
Espero que gostem e que seja útil.
Depois deixem as vossas opiniões.
Beijinhos,
 __
À conversa com a Psicóloga Benedita Moutinho – 3

Olá!

Hoje gostava de vos falar sobre os tempos livres.

Parece um tema pouco científico, mas há muito para se pensar sobre ele!

Infelizmente, nas minhas consultas, deparo-me muitas vezes com pais cansados e ocupados, o que é perfeitamente compreensível tendo em conta os horários de trabalho atuais e as responsabilidades que cada família tem nos dias de hoje. Contudo, sendo o meu principal foco o bem-estar das crianças creio que pode e deve haver alguma forma de contornar esta situação.

A verdade é que é estritamente necessário, em qualquer fase de desenvolvimento, haver contacto com a natureza, o meio ambiente, as pessoas, os animais, os espaços públicos, etc.

Aquilo que proponho é que façamos uma reflexão sobre a forma como todos ocupamos o nosso tempo e como, consequentemente, sujeitamos os nossos filhos a ocuparem o deles.

As crianças são obrigadas a passar muito tempo na escola, que muitas vezes são espaços fechados e onde os recreios são pouco utilizados. Depois da escola, muitas vão para os Centros de Estudo, que acabam por ser uma continuação da mesma.

Há uns anos, eu e a minha filha mais velha participámos num estudo sobre a transição dos bebés para a Creche, no primeiro ano de vida e, de acordo com a Investigadora do Projeto, Sílvia Barros, e segundo dados do Eurostat – Autoridade Estatística da União Europeia – de 2014, em Portugal as crianças passam, em média, cerca de 40 horas semanais dentro das creches, muitas delas permanecem as mesmas horas, ou até mais, em contexto escolar do que os adultos no seu trabalho. E sabemos bem o quanto isso nos desgasta!

Fora isto, há ainda as atividades extracurriculares, o desporto, a música, a natação e todas as outras atividades são importantes no crescimento de uma criança e promovem o bem-estar físico e mental na vida das pessoas em geral, contudo, não substituem os tempos livres a que me refiro.

Tempo livre para correr, tempo livre para apanhar folhas do chão, tempo livre para mexer nos animais, tempo livre para cultivar, tempo livre para ver as ondas do mar e tocar na areia, tempo livre para conhecer pessoas, novas e velhas, tempo livre para cozinhar em família, tempo livre para brincar, tempo livre para dar asas à imaginação e criatividade, tempo livre para conversar, tempo livre simplesmente para estar livre.

A atividade do simples brincar é uma ferramenta fundamental no desenvolvimento global das crianças, e promove capacidades físicas, cognitivas, emocionais e sociais.

Aqui, é também importante distinguir o tempo de nos sentarmos com eles e brincar, fazendo-lhes companhia e estando presentes, e o tempo de os deixar a brincar sozinhos, ou por vezes até mesmo incentivá-los a isso. É necessário dar-lhes espaço para que possam explorar os seus próprios interesses e competências.

O conhecimento é alimentado pela curiosidade, a autonomia é alimentada por liberdade, a auto-estima é alimentada no contacto com as pessoas. Estas são características que os pais, mais cedo ou mais tarde, tanto desejam observar nos filhos, mas, para isso, devem ser estimuladas desde o início da infância.

Se é difícil durante a semana haver disponibilidade para ir buscar as crianças e levá-las ao parque ou algo do género, então pensemos nos fins-de-semana que são 48 horas livres para as preenchermos como quisermos.

Muitos pais caem no erro de compensar os seus filhos pelas horas ausentes, com brinquedos (em vez de brincadeiras!) e com permissividade, deixando a criança fazer tudo o que quer e passando as restantes horas do dia ou do fim-de-semana agarradas a um televisor. Para contrariar este facto e, porque se sabe que o exterior favorece muito a coordenação motora, a capacidade de exploração dos meios ambientes, o autoconhecimento e gestão de risco, devemos então procurar equilibrar o tempo que temos disponível entre as obrigações de casa, as obrigações familiares, o descanso e a estimulação do verdadeiro significado de tempos livres.

__

Deixo algumas sugestões para este fim-de-semana do dia do Pai, espero que gostem e que aproveitem. 🙂

1.Lisboa 

Parques infantis;

Jardim Zoológico;

Disney on Ice – Frozen;

Oceanário;

Passeio na praia;

Curtas metragens | Museu do dinheiro;

Música para o Pai! – Concertos para Bebés e Famílias | Algès (93 778 77 77) | 19 de março;

A Oficina Dia do Pai | Quinta Pedagógica Armando Villar | 19 de março;

2. Porto

Oficina – Dia do Pai em Serralves | 19 de março;

Jardim Zoológico Santo Inácio;

Festival do Equinócio |Leça da Palmeira Report;

Sea Life.

3.Todo o país:

Bela e o Monstro;

Parques Infantis.

 

Beijinhos,

 

Related Posts

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *