À conversa com a Sandra Monteiro!

2 Comentários
Olá!

Hoje a conversa é com uma Mãe de gémeos que conheci no blog, uma seguidora fiel e muito querida – a Sandra!

Quando soube que estava à espera de gémeos, as emoções entraram em turbilhão. É uma Mãe feliz e realizada, que procura fazer os seus gémeos felizes.

Obrigada por ter aceite o meu desafio e contar um bocado da vossa história, para inspirar outras Mães.

❤️

Aos Pares: O que é para ti ser mãe?
S: É uma grande felicidade e uma enorme responsabilidade! A partir do momento em que somos mães, as nossas prioridades mudam radicalmente. Ficamos completamente absorvidas por aqueles seres pequeninos , indefesos e totalmente dependente de nós. É uma ligação muito forte e que cresce todos os dias. Já não conseguimos viver sem eles e damos tudo por eles.

Aos Pares: Qual a tua reação quando soubeste que estavas grávida?
S: Quando soube que estava grávida, fiquei radiante! Quando soube que estava grávida de gémeos… foi um turbilhão de emoções!!! Foi engraçado, porque quando fui fazer a primeira ecografia o meu marido chegou atrasado e já não conseguiu entrar para acompanhar. A médica viu o primeiro embrião e depois disse: “Espere lá que parece que há aqui mais qualquer coisa!”. Passou-me tudo pela cabeça! Por um lado, fiquei super contente. Por outro, comecei a ver a minha vidinha a andar para trás: gravidez mais complicada, tratar de dois bebés ao mesmo tempo, despesas a dobrar, etc. Quando cheguei à sala de espera, só me virei para o meu marido e disse: “Nem sei como é que hei-de te dizer isto!”. Ele disse logo: “Não me digas que são gémeos?!”. Depois ficámos os dois super felizes!

Aos Pares: Sempre desejaste ter mais que um filho, qual o teu número ideal?
S: Eu sou filha única e por isso sempre achei que 1 era pouco. Confesso que sempre achei que “2” era o número ideal, mas nunca esperei que me saísse um “Jackpot”!

Aos Pares: A tua gravidez correu bem? Alguma recomendação para as grávidas durante a gravidez?
S: Correu bem, mas tive direito a “pacote completo”!
Primeiro, como os parâmetros da ecografia de um dos bebés não estavam dentro dos limites comuns, tive que fazer amniocentese. Antes de fazer o exame li imenso sobre o assunto e caí no erro de ver videos no Youtube. Não façam isso!!! Fui para o exame muito nervosa e isso não ajudou nada, porque na realidade é um exame simples e eu só compliquei as coisas. Acabei por ter que ser picada duas vezes num dos sacos amnióticos mas no fim correu tudo bem!

Tive diabetes gestacionais e passei uma fome desgraçada durante a gravidez, porque era super rigorosa com o que comia. Tive que entrar de baixa por gravidez de risco às 26 semanas, porque os bebés pesavam muito e o colo do útero estava a ficar curto, havendo possibilidade de parto prematuro.

Por último, na minha barriga era sempre um reboliço enorme. Os dois mexiam-se imenso e não havia muito espaço… O Duarte estava deitado em cima e a Catarina estava sentada em baixo. Nenhum deles deu a volta e por isso eu sabia que o parto ia ser por cesariana. Com estas voltas todas, a Catarina acabou por ficar com o cordão umbilical à volta do pescoço e o parto teve que ser de urgência.

O meu conselho para as futuras mamãs de gémeos é que tenham muito cuidado durante a gravidez, porque ter dois bebés na barriga não é a mesma coisa do que ter um. É importante levar a gravidez até o mais tarde que conseguirmos para que os bebés fiquem bem.

Aos Pares: O que levar na mala de maternidade?
S: Logo no início, fiz uma lista com tudo o que era preciso levar e comprei a maioria das coisas, mas nunca cheguei a “fazer a mala”. Como fui internada de urgência às 34 semanas, não levei mesmo nada! Quando o meu marido se apercebeu de que iam fazer a cesariana, foi a casa com os meus pais e a minha mãe arrumou o que conseguiu encontrar…mas quando chegaram ao hospital, os gémeos já tinham nascido!

Aos Pares: Quais são as tuas rotinas diárias como mãe e mulher?
S: Decididamente, não me posso queixar de monotonia! Saio de casa muito cedo para ir trabalhar e tenho que organizar muito bem o meu dia, porque sei que tenho mesmo que sair a uma determinada hora para os conseguir ir buscar. Como quase nunca os vejo de manhã, passo o dia cheia de vontade de chegar a casa para estar com eles.

Às vezes é complicado, porque isto obriga-nos a um esforço enorme e eles não ajudam nada: desarrumam tudo, embirram um com o outro, não querem tomar banho, não querem comer, fazem birra para dormir…um pesadelo! Mas faz parte! Nós é que tivemos um dia mau, estamos com menos paciência, e eles que não estiveram connosco o dia todo só querem um bocadinho da nossa atenção.

É por isso que é importante não nos esquecermos de nós e arranjarmos maneira de relaxar um bocadinho! Tento pelo menos uma vez por semana arranjar tempo para correr, nadar e cuidar de mim!

Aos Pares: Consegues conciliar a vida de mãe com o trabalho?
S: Sim claro, mas não é fácil! A minha sensação é de que o tempo passa e eu nunca estou lá para acompanhar o desenvolvimento deles. Tudo acontece na escola: gatinhar, comerem sozinhos, os primeiros passos, as primeiras palavras, etc.

Crescem muito depressa e nós não passamos quase tempo nenhum com eles. De manhã, quando saio de casa, quase sempre eles estão a dormir. Ao fim do dia, quando os vou buscar e chego a casa, há tanta coisa para fazer que também não sobra tempo para nada: tenho que lhes dar o banho, fazer o jantar, ajudá-los a comer, arrumar a cozinha e de repente já são horas de ir dormir porque no dia seguinte começa tudo de novo! E tenho uma grande ajuda do pai!

Aos Pares: Qual o papel do Pai aí em casa?
S: É um Super pai!

Ser pai de gémeos não é fácil! Têm que fazer tudo!!! Quando eles eram bebés, de 3 em 3 horas o pai tratava de um e eu de outro. Quando é só um filho, normalmente o pai fica a dormir enquanto a mãe trata de tudo! A rotina sempre foi o pai tratar deles de manhã e levá-los à creche e eu ficar com o turno da tarde. Têm uma relação muito próxima com o pai e adoram-no!

Às vezes parece que tenho 3 crianças lá em casa!

Aos Pares: Qual o episódio mais divertido e o mais caricato que tiveste com os teu filhos?
S: São tantos que é difícil escolher um! As crianças conseguem fazer coisas que não lembram a ninguém… Por exemplo, as gavetas das cómodas deles em vez de puxadores têm umas aberturas pequeninas para as conseguirmos abrir. Quando eram pequeninos, tínhamos fechos de segurança para eles não as abrirem, mas claro que não resultou! Um dia, enquanto eu preparava o jantar conseguiram enfiar as mãozinhas pelo buraquinho das gavetas e tiraram tudo! Quando entrei no quarto e vi os bodies, meias, pijamas e tudo o resto espalhado pelo chão ia tendo uma coisinha má! Mas hoje, olhado para trás, foi caricato mas divertido! Passei o serão a dobrar roupa!!!

Aos Pares: Qual o maior susto que apanhaste como Mãe?
S: Tive a sorte de, até hoje, não ter tido grandes sustos com eles!

Como nasceram prematuros, era frequente engasgarem-se a beber o leite. Uma vez, ainda no hospital, isso aconteceu com a Catarina e eu inclinei-a e dei-lhe umas pancadinhas nas costas, mas a enfermeira disse que eu tinha que garantir que ela estava a respirar bem e virou-a mesmo ao contrário e apertou-lhe um dedinho para ela chorar. A partir daí fiquei assustada e à miníma dúvida fazia logo a manobra de desengasgamento!!!

Aos Pares: És preocupada com a roupa dos teus filhos? Qual a tua loja preferida?
S: Claro que sou preocupada com a roupinha deles! No dia-a-dia nem tanto, mas quando vamos passear gosto que eles andem todos pipocas!
Tenho várias lojas onde gosto de comprar a roupa, mas confesso que ando sempre à procura de promoções! Tornei-me uma especialista em saldos e outlets!

Aos Pares: Qual o teu maior desejo e o teu maior medo como mãe?
S: O meu maior desejo é, sem dúvida, que eles sejam muito felizes. Vivemos num mundo complicado e sei que não vou conseguir protegê-los debaixo da minha asa para sempre… Gostava que fossem sempre grandes amigos e cúmplices, para poderem contar sempre um com o outro! Tento ser igual para os dois, mas eles têm maneiras de ser tão diferentes que nem sempre isso é possível, pelo que tenho medo de ser mais protectora de um do que do outro.

Aos Pares: Como gostas de passar o teu tempo em família?
S: Prefiro actividades ao ar livre! Para além de ser mais saudável, acho mais fácil estar com eles fora de casa! Durante a semana o tempo que nos resta em família é pouco e por isso tentamos sempre ir passear no fim-de-semana. O domingo é normalmente um dia dedicado aos avós. Eles adoram porque os avós têm imensa paciência e organizam sempre coisas giras! Só assim é que eu e o meu marido conseguimos ter algum tempo para nós: vamos correr para aliviar o stress!!! Partilhamos os dois o gosto pela corrida e é uma maneira de relaxarmos um bocadinho.

Aos Pares: Os filhos dão-nos muitas alegrias. Qual a maior que tiveste?
S: Eles ainda são pequeninos, mas quando ao fim do dia chegamos à escola e eles vêm a correr para nós de braços abertos para nos dar um beijinho e um abraço, enche o coração de qualquer um! A Catarina é dorminhoca, mas o Duarte é madrugador e ultimamente, mal me sente, levanta-se para me fazer companhia a tomar o pequeno almoço, o que eu acho amoroso.

Aos Pares: Recomendações pós-parto?
T: A partir do momento em que os temos nos braços tudo muda! É importante ter a noção de que não somos Super-mulheres e, especialmente com gémeos, nem sempre conseguimos fazer tudo. Temos que gerir prioridades, dar o nosso melhor e não nos culparmos caso não consigamos ser perfeitas.
Em relação aos bébés é importante estabelecer rotinas com horas certas, porque caso contrário não descansamos nada e isso leva-nos à loucura!
É muito importante nós, mães, estarmos bem para que os bebés estejam bem e por isso não nos podemos esquecer de reservar algum tempo para fazermos o que gostamos e para tratar de nós.

Aos Pares: Quais as roupas que aconselhas às grávidas?
S: Eu optei por roupas simples e sobretudo confortáveis!

Aos Pares: Essencial para a praia em família?
S: O ideal é tentar arranjar uma praia tranquila e sobretudo relaxar! Eu sempre gostei mais da praia de manhã e por isso normalmente vamos cedo, quando ainda não há muita confusão. Eles não param sossegados e tenho sempre medo de os perder de vista.
Há 4 anos que não sei o que é estar deitada na toalha de praia…já nem a levo!!! Normalmente estamos a brincar com eles junto ao mar, fazemos castelos, apanhamos conchinhas, etc.

Aos Pares: Sugestão de programa para a férias?
S: Sempre adorei viajar, mas com eles ainda não arrisquei grandes aventuras! Tenho algumas coisas planeadas, mas acho que ainda vou esperar mais um ou dois anos… Nas férias de verão, normalmente vamos para o Algarve e fazemos praia de manhã e organizamos uns passeios à tarde. Tentamos sempre arranjar um ou dois dias com programas diferentes e é muito fácil fazer uma criança feliz!

Aos Pares: Ser mãe é…
S: O melhor do mundo!

Obrigada!

❤️
Quem nunca pensou que sabia tudo sobre ser Mãe?
À conversa com a Psicóloga Benedita Moutinho – 5
2 Comentários
  • CRS

    Responder

    Como me identifico com estas palavras. Também sou mãe de gémeos. Um casal. É verdade que se passa do pânico inicial ao fascínio total. A melhor “aventura” da minha vida ainda é recente. As minhas estrelinhas têm 4 meses, ainda tenho muito para andar e aprender. É cansativamente maravilhoso.
    É muito bom ler outros testemunhos e perceber que não estamos sozinhas.
    Felicidades!

    ameninadouro.blogspot

  • Andreia André

    Responder

    Como me revejo em tantas histórias destas com a diferença de não chegar o choque de gemeos, como pouco depois do nascimento surge, mais uma gravidez, expontanea e inesperada… e aí eram dois bebés de 6 meses e um Pimpolho novo a caminho que Hoje é a luz dos meus olhos mas na altura foi o chão a fugir dos pés….

    Gosto bastante do seu blog, faz-me sentir que não sou a única que luta todos os dia

Deixe um comentário