À conversa com um pai de gémeos – Tiago Reis Silva!

0 Comentários

À conversa com um pai de gémeos – Tiago Reis Silva!

Hoje a conversa é com um pai de gémeos (aliás, pelo que li, um grande pai!)

Conheci o Tiago por ser o meu PT e fiquei logo fã! Treinos intensos e sem “moleza”, desafios diferentes para superar em cada treino (tal e qual como na minha vida de Mãe!). É engraçado, porque vejo os treinos como a vida de qualquer Mãe… quando achamos que não vamos conseguir… superamo-nos!

Mas nada como ler este Pai de gémeos e ver as suas dicas de Pai. 😉

Espero que gostem de mais esta conversa.

___

Aos Pares: O que é para si ser pai?

T: Ser pai é dar o melhor de mim todos os dias para ser um bom exemplo, transmitir os valores certos, ser um porto seguro e simplesmente estar lá. É uma bênção e ao mesmo tempo uma responsabilidade enorme. É um amor maior do que alguma vez imaginei e que não consigo explicar. É o melhor do mundo!

Aos Pares: Qual a sua reação quando soube que ia ser Pai de gémeas?

T: Foi um misto de – Oh meu Deus, como é que vamos conseguir – com uma grande felicidade. Sabíamos que não queríamos ter 1 só filho e a probabilidade de serem gémeos existia por isso não foi um susto.

Aos Pares: Sempre quis ter mais que um filho, qual o seu número ideal?

T: Adoro crianças. O número ideal é três, mas a minha mulher gosta mais de 4…hehehehe

Aos Pares: Quais são as suas rotinas diárias como Pai?

T: Sou um pai muito presente na vida das minhas filhas, porque acredito que só assim faz sentido. De manhã elas acordam e o primeiro pedido, ainda de olhos fechados e a dormir, é o leitinho. Sei que já não deviam beber o leite na cama, mas não resistimos. Bebem o leitinho e vestem-se com a minha ajuda, tomam o pequeno almoço que a minha mulher preparou enquanto eu me arranjo e depois levo-as à escola. Lá em casa dividimo-nos assim – eu com as manhãs, a minha mulher com o final do dia e todos ao fim de semana. Quando chego, à noite, depois dos treinos, raramente as apanho acordadas, mas quando consigo é uma festa.

Aos Pares: Qual o seu papel como Pai de gémeos aí em casa?

T: Educar, educar, educar. Cá em casa somos uma equipa e as coisas são repartidas. Faço questão de as levar pelo menos 3x por semana à escola e de o fim de semana ser dedicado à família, até para termos tempo os quatro. Elas adoram e é muito importante, já que durante a semana não temos alternativa a não ser funcionar por turnos. E temos imensa sort,e porque os avós são muito presentes e dão uma ajuda fantástica. Gosto muito que elas experimentem atividades físicas. Este ano já têm natação e ginástica e já experimentaram surfar comigo. A Catarina adora, mas a Clarinha ainda tem medo

Aos Pares: Qual o episódio mais divertido e o mais caricato que teve com as suas filhas?

T: Divertidos, temos quase todos os dias! Desde a Clarinha que de tanto me ver a torcer pelo Medina nas etapas do campeonato mundial de surf, começou a torcer – Vai Medina! À Catarina, que viu que a avó tinha sido picada por uma melga e perguntou, com um ar muito preocupado, se a melga tinha batido à porta para entrar. A vida com elas é uma animação constante! São meninas muito bem dispostas e estamos sempre a rir com as saídas novas e as descobertas!

Aos Pares: Qual o maior susto que apanhou como Pai?

T: Foi no dia em que a Clarinha comeu um rissol de camarão. Tinha 2 anos e meio, estávamos no batizado da minha sobrinha e como o pediatra tinha dito que podiam comer de tudo, comeu pela primeira vez um rissol e gostou. Algum tempo depois começou a ficar muito vermelha e rapidamente a cara a inchar e a ficar deformada. Estava irreconhecível… só pensávamos que a garganta podia inchar e parar de respirar também. Graças a Deus, nesses momentos consigo sempre manter a calma. Lá dei o remédio antialérgico e voámos para o hospital.

Aos Pares: Nota muitas diferenças entre ser Pai e Mãe de gémeos?

T: Cá em casa não notamos, pois é uma “linha de montagem”: dividimos tarefas, criamos uma rotina com elas e é tudo a trabalhar para o mesmo. 🙂

Aos Pares: O que mudou na sua vida quando foi pai de gémeas?

T: TUDO! As minhas idas surfar ao fim-de-semana diminuíram drasticamente. Hehehe Elas são full time.

Aos Pares: Como gosta de passar o seu tempo em família?

T: Amo de paixão o tempo em família! A melhor parte é acordarmos todos ao domingo, elas irem para o sofá comigo e vermos os desenhos animados todos bem juntinhos, enquanto deixamos a mãe descansar mais um pouco. Depois, os programas variam: no verão corremos para a praia, que elas adoram e de resto vamos passear fora de Lisboa ( Sintra, Óbidos, Mafra), vamos andar de bicicleta ( última novidade lá de casa!), ao jardim, à quinta pedagógica. Acima de tudo, tentamos que os fins de semana sejam momentos divertidos, com programas diferentes e de que todos gostem.

Aos Pares: Os filhos dão-nos muitas alegrias. Qual a maior que teve?

T: Difícil definir uma em concreto, porque basicamente todos os dias alguma delas faz alguma coisa muito querida e que me deixa muito feliz. Por exemplo, ter chegado a casa e elas estarem acordadas, já nas caminhas e quando vou dar um beijinho de boa noite, dizerem: “Papai te amo!!!” Não há palavras!!

Aos Pares: Recomendações para futuros pais de gémeos?

T: Comecem já a treinar para fazerem um fortalecimento muscular, porque vão precisar imenso. Desde o carrinho, às cadeirinhas, aos sacos, aos bebes. É tudo pesado e a dobrar! Hehehe

Aos Pares: Sugestão de programa em família ?

T: As meninas adoram animais, por isso vamos várias vezes a quintas pedagógicas e ao zoo. Fomos recentemente ao Cantinho dos Pôneis em Sintra e elas adoraram! Deram de comer a vários animais, festinhas, andaram de pônei, foi uma alegria.

Aos Pares: Como Pai, sente diferença por ser pai de gémeas?

T: Sinto imensa. A logística é terrível. A quantidade de coisas que tínhamos de levar quando eram pequenas assustava qualquer um. Sair apenas um de nós com as duas era muito complicado. Agora é muito mais tranquilo, mas ajuda termos estabelecido regras e rotinas e elas terem crescido.

Aos Pares: Ser PAI de gémeas é …

T: Uma enorme responsabilidade e uma dádiva incrível.

Obrigada!

À conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge – 5
A realidade da infertilidade!
0 Comentários

Deixe um comentário