Sri Lanka em 15 dias – Parte 2

7 Comentários

Sri Lanka em 15 dias – Parte 2

De Pasikudah seguimos para um dos meus sítios preferidos da viagem – Ella!

A viagem ainda demorou – demoram todas, na verdade -, as estradas não são nada de especial, mas passámos paisagens bonitas e também aproveitámos para descansar, o que é sempre bom para uns pais que estavam de rastos, ahahah!

Chegámos a Ella e percebemos logo que era uma paragem especial, rodeada de natureza, com vários restaurantes e bares. O nosso hotel era de cortar a respiração de bonito que era – o 98 Acres – é sem dúvida um lugar de lua-de-mel que já mais vou esquecer, se puderem não deixem de ir! É de uma beleza extrema e a paisagem verde atrai a paz, só se ouve o barulho dos animais.

Comida sempre boa, passeios lindos e momentos muito incríveis, quer no Little Adam’s Peak  (nascer e pôr-do-sol), quer na Nine Arches Bridge (pôr-do-sol). Vale a pena acordar cedo e fazer uma caminhada de 1h até ao Little Adam’s Peak e depois terminar com o pequeno-almoço do 98 Acres que é maravilhoso!

Na rua em Ella vão ver alguns bares e restaurantes com pinta. A título de exemplo, experimentem o Chill, que tem um hambúrguer veggie  maravilhoso.

Daqui fizemos a clássica viagem de comboio, de Ella para Nuwara Elia, que é linda de morrer. Um caminho cheio de paisagens mesmo bonitas, campos de chá de perder a vista, só vemos verde por todo o lado – o Sri Lanka é, sem dúvida, um país verde. Aqui têm de comprar bilhete com antecedência já que esgotam rápido.

Chegámos e fomos directos almoçar ao centro, a um restaurante chamado Magnolia, cuja comida é mesmo deliciosa, optámos pelos pratos típicos do Sri Lanka que eram mesmo muito bons.

Depois demos um passeio e seguimos para o Hotel Tea Factory, um hotel de charme numa antiga fábrica de chá, onde toda a estrutura foi recuperada; os quartos com dimensões que se adaptam à estrutura já existente do edifício, são de dimensões modestas mas com um enorme cuidado pelo detalhe. É um hotel bonito e com muito charme, antigo e rodeado de chá, paz e silêncio. Tivemos oportunidade de fazer passeios pelo meio do chá, um lanche invernoso com bolachas caseiras que por momentos parece que estamos em Inglaterra. Ella é uma cidade colonial com muita influência inglesa, onde os costumes são diferentes do resto do país, e onde o chá é rei!

Passeámos muito e vimos paisagens bonitas e muitas delas sem um único turista, sempre de tuc-tuc para conseguirmos chegar a todos os pontos. Fomos ver as cascatas e o lago no interior de uma montanha rodeado de vegetação densa onde o silêncio, depois de um difícil caminho, foi uma surpresa muito agradável.

Já no caminho para Welligama, visitámos uma fábrica de chá que produz para o mundo inteiro: Blue Factory e, como é óbvio, comprámos chá para toda a família! 🙂
Nesta zona o tempo é mais frio, não é verão, mas soube bem, até porque a paisagem é ainda mais verde dadas as plantações de chá que estão por todo o lado.

Seguimos para o Sul, para a zona das praias e do surf, onde o calor era muito e a água do mar a mais quente em que já tive!! Um destino ótimo para ir namorar ou em família.

Fomos para um hotel na praia, pequeno e familiar, em Welligama – Welligama Beach Resort – escolhemos ficar nesta zona porque tem mais movimento e com maior proximidade para conhecer outras zonas do sul, é uma zona bastante central e perto de tudo! 🙂

Ficámos os 7 dias no mesmo sítio para não andar a fazer mais malas e dali conseguimos visitar tudo! 🙂

Durante estes dias fizemos quase sempre praia no nosso hotel, mas ainda aproveitámos para visitar outras praias, nomeadamente Mirrisa, Unawatuna, Midigama, Koggala.

Em Mirrisa almoçámos num restaurante de praia muito giro: Papa Mango. Esta praia tem vários mas este era o mais castiço. Depois ainda fizemos um ótimo passeio pela praia de Mirissa para apreciar as maravilhosas paisagens. Tanto para a esquerda como para a direita, vale a pena ir aos dois lados, em maré vasa para a esquerda.

Em Mirrisa também podem fazer uma aula de ioga no Ceylon Sliders e tomar o pequeno-almoço, é um sítio bem giro que vale a pena.  A aula é as 6h30.

De Welligama para Galle existem várias paragens bonitas que devemos fazer na ida ou na volta. Podem ir de comboio ou de tuc-tuc, preferimos este para podermos parar onde queríamos.

Fomos ver e conhecer as várias tartarugas que existem no Sea Turtle, um projeto giro que devem visitar. Podem pegar nas tartarugas, conhecer toda a história e ainda ter a sorte de nesse dia serem “lançadas” na praia, nós não tivemos. 🙁

Outra paragem antes de chegar a Galle foi nos Fishermen, para vermos estes pescadores sentados numas estacas, o que acaba por ser um ponto turístico e que para se tirar uma fotografia temos de pagar, mas é justo. 🙂

No caminho continuámos a passar por sítios muito bonitos, até que chegámos ao forte de Galle que é mais turístico mas que vale a pena ser visitado. Até tem influência portuguesa. É sem dúvida bonito, com muitas mini ruas cheias de lojas, restaurantes, tudo cheio de pinta, hotéis lindos ( destaco o Aman,).Vale a pena ir à descoberta. Uma loja que adorei foi a kk Collection cheia de coisas giras, desde arte, peças de decoração, roupas de design próprio, além de que a loja em si mesma é uma “casa” gira. 🙂

O resto dos dias foi aproveitar as várias praias, mas quase sempre pela do nosso hotel pois foi a que mais gostámos, onde tínhamos as comodidades todas, soube mesmo a férias. 🙂 Ainda experimentei fazer surf, mas não achei muito fácil, apesar de a sensação ser ótima!

Jantámos divinalmente no Big Fish, que é gerido por um chefe português: Chefe Miguel Cirne, uma maravilha! Recomendo. 🙂

O restaurante do nosso hotel também era bom e tinha um bife de atum top!

É uma viagem de sonho a um país que ainda não está muito turístico e que vale a pena conhecer.

Durante a viagem conhecemos pessoas incríveis, com histórias de vida maravilhosas. Foi bom para namorar, cultivar-nos e descansar!

Se precisarem de tirar alguma dúvida digam, estou por aqui.

Beijinhos!

P.S. Vou partilhar um guia rápido para guardarem. 🙂

 

 

 

 

Fui e vim a Barcelona!
Sri Lanka em 15 dias - Parte 1
7 Comentários
  • Diana

    Responder

    Olá 😉 estive no Sri Lanka à duas semanas de Lua de Mel , e em vez de explorarmos o sul fomos para as Maldivas , e fomos a Kandi que recomendo vivamente . Mas pelo post já vi que tenho de lá voltar para visitar o sul 🙂 estou grávida de três meses o que fez ter receio de ir para a Ásia , mas o médico disse que não havia problema , e tinha razão . Correu tudo muito bem. E não vejo a hora de voltar.

    • Mariana Seara Cardoso

      Ásia é sempre uma ótima opção! AMO. 🙂
      Beijinhos e tudo a correr bem.

  • Ana

    Responder

    Obrigada , por me mostrar o que eununcavou poder ver. Caiu uma lagrima deve ser lindo viajar é ser feliz. Obrigada.

  • Teresa Marques

    Responder

    Olá, fiquei com muita vontade de ir tenho uma questão, ficaram hospedados no Hotel Tea Factory?

    Outra questão, organizou tudo sozinha ou recorreu a alguma agência de viagens?

  • Manuela Martins

    Responder

    Foi a agência que planeou toda a viagem e reservas.?

  • Carin Weitzenbaur

    Responder

    Fui com o meu marido há 1 ano e meio em lua-de-mel e também adoramos! Tudo correu bem a as pessoas são genuinamente boas.
    Os primeiros dias ficamos por nossa conta em Mirissa e os restantes dias também tratamos de tudo com uma agência de viagens local – a Olanka Travels. Contratamos um motorista e uma guia e ficamos um dia em cada sítio. Julgo ser esta a melhor maneira de conhecer o país…

  • Ana

    Responder

    Podia dizer como ter essa forma física?

Deixe um comentário