À conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge – 3

1 Comentário

À conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge – 3

Quando somos Mães pela primeira vez, os medos são muitos.

Hoje a conversa com a Enfermeira Patrícia Jorge é sobre o engasgamento, para mim foi sempre uma enorme preocupação.

Espero que gostem e que as dicas sejam úteis.

Beijinhos,

O engasgamento

O engasgamento na criança ocorre normalmente durante a alimentação ou quando estas brincam com objetos de pequenas dimensões (peças, brinquedos, botões, moedas, etc).
A obstrução da via aérea é considerada uma emergência médica e por isso quem está com o bebé / criança no momento do engasgamento deverá saber atuar rapidamente perante tal circunstância.

Em primeiro lugar, e talvez o mais difícil de fazer, deverá ser manter a calma pois o pânico é inimigo do discernimento, principalmente quando se trata dos nossos filhos.

Para poder atuar tem de saber reconhecer os sinais de engasgamento. Estes podem variar um pouco mas, por norma, a criança:
* pode estar pálida ou
* com congestão fácil (cara muito vermelha – em esforço);
* apresenta cianose labial ou peribocal (cor azul arroxeada nos lábios ou à volta da boca – tipo “bigode” roxo);
* à inspiração pode emitir um som agudo, tipo estridor;
* se estiver perante uma obstrução total, a criança não consegue emitir qualquer som;
* não consegue falar nem chorar;
* baba-se muito, por não ser possível engolir a saliva;
* rapidamente a criança irá “perder os sentidos” se não for revertido o engasgamento.

Perante este quadro deve, sem demora:
* Pegar no bebé de barriga para baixo, segurando o queixo deste e inclinando a cabeça em direção ao chão;
* Aplicar até 5 pancadas no meio das omoplatas;
* Se o bebé continuar sem chorar, vire-o de barriga para cima e com dois dedos faça até 5 compressões torácicas, no meio do peito, ao nível do esterno;
* Repita estes 2 passos até o bebé chorar, tossir ou vomitar;
* Se visualizar o objeto estranho na cavidade oral pode retirá-lo com cuidado para não o voltar a introduzir acidentalmente.

Quando o tamanho da criança já não permitir que seja realizada esta manobra no braço deverá, com a mesma rapidez:
* Abordar a criança por trás, passando os seus braços pelas axilas desta;
* Com uma mão, segurar o tronco da criança ligeiramente inclinado para a frente;
* Aplicar até 5 pancadas no meio das omoplatas;
* Se a criança continuar sem falar, sem tossir ou sem expulsar o objeto pela boca deverá fazer 5 compressões abdominais, colocando uma mão fechada acima do umbigo, no fim do esterno e fazendo pressão para dentro e para cima;
* Manter estas manobras até desobstrução evidente da via aérea.

Em qualquer um dos casos, se durante ou após as manobras de desobstrução da via aérea o bebé ou a criança ficarem inconscientes deverá iniciar imediatamente manobras de suporte básico de vida e accionar os meios de socorro, ligando 112.

Após qualquer episódio de engasgamento, mesmo que este tenha sido revertido com sucesso e o bebé aparente estar bem, deverão os pais / cuidadores deslocar-se com a criança ao serviço de urgência mais próximo para ser observado por um médico.

Atenção que as recomendações escritas neste texto não invalidam a pesquisa mais aprofundada sobre o tema e a frequência de um curso de primeiros socorros pediátricos que lhe confira a capacidade prática para atuar perante esta e outras emergências pediátricas.

Faço votos para que todos saibam e ninguém precise de utilizar estes conhecimentos.

..

Podem consultar ou pedir ajuda à Enfermeira Patrícia aqui.

À conversa com a Psicóloga Benedita Moutinho - 4
À conversa com Terapeuta do Sono, Mafalda Navarro – 3
1 Comentários

Deixe um comentário